fbpx

Escola Superior de Saúde do Alcoitão - ESSAlcoitão

Pós-graduação “O Brincar”

Curso com direito a atribuição de Bolsa* a 100%
*Bolsa de incentivo no valor TOTAL da propina (1350 Eur)

Enquadramento

Brincar é reconhecido na terapia ocupacional como um domínio central da infância e um foco essencial no trabalho com crianças com disfunção e suas famílias.

Embora existam diferentes definições de Brincar e não consenso em nomear diferentes formas de Brincar, a evidência da sua importância para a saúde, desenvolvimento e bem-estar é documentado de forma consistente (Lester e Russell, 2010). Brincar como ocupação primária deve implicar que a prioridade lhe seja dada para permitir o brincar: isto é, não simplesmente para ensinar competências lúdicas ou praticar atividades lúdicas em contextos de intervenção terapêutica, mas para projetar intervenções baseadas no contexto que focam o Brincar, a ludicidade e a participação. Os terapeutas ocupacionais têm significantes e valiosas contribuições para permitir a participação no Brincar, e precisamos abraçá-lo como ocupação: Brincar como um objetivo, Brincar como um direito e Brincar pela Participação”͘͟ (Lynch H, Moore A. Play as an occupation in occupational therapy. British Journal of Occupational Therapy. 2016; 79 (9):519-520)

Destinatários

Pós-Graduação Completa (168h /33,5 ECTS):

Terapeutas Ocupacionais

Curso com direito a atribuição de Bolsa* a 100%
*Bolsa de incentivo no valor TOTAL da propina (1350 Eur)

Para concluir com sucesso a sua candidatura, siga os seguintes passos:
Candidate-se aqui! > Registar > Receção de email > Clicar no link (email) > Dados de autenticação > Nova candidatura > Candidatura a um curso > PRR – Candidatura Pós-Graduações

Módulos da Pós-Graduação:

 

Condições

Pós-Graduação

 

 

Número de créditos a atribuir

168 horas / 33,5 ECTS (European Credit Transfer System)

Propinas

Candidatura** 50€ 
Propinas* 1350€

Curso com direito a atribuição de Bolsa* a 100%
*Bolsa de incentivo no valor TOTAL da propina (1350 Eur)

** Funcionários CIT (contrato individual de trabalho) da SCML não pagam a taxa de candidatura (50 €).

Calendário

Início a 30 de setembro e término a 27 de maio de 2023

Data de candidatura

até 22 de setembro de 2022

Data de inscrição/matrícula

de 22 a 28 de setembro de 2022

Vagas

O curso funcionará com um mínimo de 25 e um máximo de 30 inscrições.

A seriação será realizada segundo a ordem de inscrição e matrícula até ao término das vagas.
O curso só se realizará se o número mínimo de vagas for preenchido.

Local e horário

Online e na ESSAlcoitão (formato B-Learning)

  • 6ª feiras das 18H30 às 21H30
  • sábados das 09H00 às 17H00

– Alguns módulos podem apresentar variação no horário;
– Alguns módulos serão em língua inglesa e um deles em língua espanhola.

Objetivos gerais

  • Abordar o Brincar como domínio ocupacional enquadrado na abordagem da Terapia Ocupacional;
  • Abordar o Brincar na perspetiva centrada na criança, com base nas suas preferências, necessidades e participação, contribuindo assim para o desenvolvimento do conhecimento e investigação, dentro da Terapia Ocupacional, de forma a capturar com mais precisão o Brincar como ocupação nos diversos contextos.
  • Pretende-se ainda que os profissionais acedam à certificação internacional num dos instrumentos de avaliação abordados.

Competências a adquirir

  • Atualizar o seu conhecimento teórico-prático sobre o Brincar com base na evidência científica;
  • Relacionar os diferentes domínios ocupacionais e contextuais que influenciam o Brincar;
  • Compreender a unicidade e especificidade da abordagem da Terapia Ocupacional no Brincar, através do raciocínio clínico baseado na evidência;
  • Interligar, com base no raciocínio clínico especializado, os diferentes modelos teórico-práticos que sustentam a abordagem ao Brincar;
  • Utilizar com sucesso e rigor os vários instrumentos de avaliação e modelos de intervenção no Brincar;
  • Identificar e usar a comunicação e interação efetiva para os diferentes pontos de ligação interdisciplinar no que concerne ao Brincar.

Docentes responsáveis

Marta Figueiredo, Especialista em Terapia e Reabilitação – Terapia Ocupacional, Professor Adjunto convidado;

Isabel Ferreira, Doutora em Psicologia Social, Especialista em Terapia e Reabilitação – Terapia Ocupacional, Professor Adjunto.

Docentes

Paula de Jesus Serrano, Mestre em Terapia Ocupacional – especialização em integração sensorial, Professor adjunto convidado;

Anita Bundy, Sc.D. in Therapeutic Science, Professor Coordenador convidado;

Michelle Bergin, Master in Disability StudiesŝĞƐ, Professor adjunto convidado;

Sofia Fragoso, Mestre em Terapia Ocupacional – especialização em integração sensorial, Professor adjunto convidado;

Dulce Romero, Doutora em Psicologia, Professor coordenador convidado;

Madalena Santana, Doutora em Educação, Professor coordenador convidado;

Luziária Pfeifer, Doutora em Educação, Professor coordenador convidado;

Sirlândia Teixeira, Doutora em Educação, Professor coordenador convidado.

Cronograma das aulas

Unidades Curriculares/Módulos

Docente

Horas de Contacto

Data

Modalidade

Aula Aberta (TO,  profissionais de saúde e da educação) 

Módulos abertos a TO para inscrição individual 

(fora pós-graduação)

T

TP

Totais

2022

1

Introdução ao brincar e Modelos de brincar na TO

Mestre Paula Serrano (TO; PT)

6

4

10

30 set, 1 out

Presencial

 

 

2

Desenvolvimento das competências de brincar na 1ª infância

Mestre Paula Serrano (TO; PT)

6

4

10

14, 15 out

Online

x

 

3

O modelo lúdico de Bundy, Histórico lúdico e a Knox

Mestre Paula Serrano (TO; PT)

4

6

10

28, 29 out

Online

 

x

4

A avaliação do Brincar na TO

Mestre Paula Serrano (TO; PT)

4

6

10

11, 12 nov

Presencial

 

x

6

O Test of Playfulness e o Test of Environmental Support 

Dra. Anita Bundy (TO; USA)

6

10

16

5, 6, 7 dez

Presencial

x

 

2023

7

Ciência ocupacional e o Brincar

Mestre Michelle Bergin, PhD (OT; SE, IRL)

6

4

10

6, 7 jan

Online

 

x

8

Brincar e Saúde Mental infantil , Brincar e o Modelo Floortime

Mestre Sofia Fragoso (TO, PT)

6

4

10

20, 21 jan

Presencial 

x

 

9

Brincar, Saúde Mental e Auto-Regulação; Parental, Parentalidade Positiva no Brincar e desenvolvimento da Auto-Regulação na Infância

Dra. Dulce Romero TO; ESP)

6

4

10

3, 4 fev

Online

x

 

10

Intervenção da terapia ocupacional no Brincar

Mestre Paula Serrano (TO; PT)

6

4

10

10, 11 fev

Presencial

 

x

11

Brincar e integração sensorial

Mestre Paula Serrano (TO; PT)

9

11

20

3, 4, 10, 11 mar

Online

 

 

12

O modelo lúdico de Ferland

Prof.. Madalena Santana (TO; BR)

10

10

20

17, 18, 31 mar 1 abr

Online

x

 

13

O modelo Learning to Play

Prof. Luziária Pfeifer (TO; BR)

10

10

20

14, 15, 28, 29 abr

Online

x

 

14

A Brinquedoteca e a criança em ambiente hospitalar

Prof. Sirlândia Teixeira (TO; BR)

6

4

10

12, 13 mai

Online

x

 

15

Apresentação de Trabalhos

Dra. Isabel Ferreira (TO; PT), Especialista Marta Figueiredo (TO; PT)

4

4

8

27/mai

Presencial

 

 

Conteúdo Programático

Unidades Curriculares/Módulos

Conteúdo Programático

1

Introdução ao brincar e Modelos de brincar na TO

O Brincar: O que é brincar? Como se manifesta?                Qual é a função do Brincar?  

Tipos de brincar     

Brincar e terapia ocupacional                

Quadros de referência para o brincar na Terapia Ocupacional           

Modelo do Castelo de Areia (M C A) (Sturgess, 2003)         

Modelo Lúdico de Ferland (MLF) (Ferland, 2005)

Modelo de Brincar de Cooper (MBC) (Cooper, 2000)

Modelo Dinâmico para a Escolha do Brincar  (MDEB) (Miller & Kuhaneck,  

Teoria do Espaço Infantil (TEI)     (Pierce, Munier & Myers, 2009)

O Modelo de Ludicidade de Bundy (MLB) (Bundy 1997)

2

Desenvolvimento das competências de brincar na 1ª infância

As formas de classificar o brincar

O desenvolvimento das competências de brincar com o corpo

O desenvolvimento das competências de brincar com os objetos 

O desenvolvimento das competências do brincar emocional social

O desenvolvimento de competências de brincar simbólico

Os esquemas de brincar

3

O modelo lúdico de Bundy, Histórico lúdico e a Knox

O Histórico lúdico – a avaliação das dimensões dos materiais, ações, pessoas e contextos.

A taxonomia para avaliação

A escala de avaliação das competências de brincar de Knox- administração e cotação

A adaptação transcultural das versões portuguesas de Portugal e Brasil

Os elementos do modelo lúdico de Bundy

Apresentação geral do Test of Playfulness (TOP)

Prática

4

A avaliação do Brincar na TO

Introdução à avaliação do brincar na terapia ocupacional

A avaliação com fontes diretas de informação usando observações de comportamentos lúdicos e de competências de brincar 

As avaliações e escalas disponíveis

Fontes indiretas de informação usando questionários, autorrelatos e entrevistas

6

O Test of Playfulness and Test of Environmental Support

Atividades (grupo e individuais)  de treino e certificação nos instrumentos e o que os mesmos compreendem

7

Ciência ocupacional e o Brincar

Seminar 1. Play as occupation. 

Exploring the evidence of the importance of play, as it contributes to health, well-being and development 

Examining the differing meanings and values on play using Holdens cultural triangle

Play as a right. Exploring the macro, legislative, policy and social discourses on play.

Interdisciplinary perspectives on play

Defining play as occupation.

 

Seminar 2    Contemporary discourses on Play

Play and identity. Exploring normative framings of play, maintenance of gendered, racilised and ablist identities through play and belonging and oppression.

Play as a collective occupation. Exploring play as a social occupation.

Spatiality of Play. Examining factors that influence play occupation and play as the production of space.

 

Seminar 3

Play practices. Examining play deprivation and play as an issue of occupational justice and identifying tensions, dilemmas and recommendations for practice.

Research methodologies and methods.

8

Brincar e Saúde Mental infantil, Brincar e o Modelo Floortime

Perturbações da Relação e Comunicação

Diagnóstico precoce

Modelo DIR (Developmental, Individual-differences & Relationship-based model)

Níveis funcionais do desenvolvimento emocional

Princípios fundamentais do Floortime

Objetivos do Floortime

Estratégias de intervenção

9

Brincar, Saúde Mental e Auto-Regulação; Parental, Parentalidade Positiva no Brincar e desenvolvimento da Auto-Regulação na Infância

El papel del juego en la salud mental del niño/a

El papel de los distintos tipos de juego en la autorregulación

El papel de los padres en el desarrollo de la conducta autorregulada y bienestar del niño/a

La parentalidad positiva para el desarrollo del juego y autorregulación

10

Intervenção da terapia ocupacional no brincar

Brincar como um meio ou como um fim

Organização dos resultados da avaliação

Modelos de intervenção do brincar na primeira infância na terapia ocupacional:

Teoria do espaço infantil

Modelo de brincar de Cooper

Modelo de ludicidade de Bundy

Teorias de motivação para brincar: The arousal Theory, Flow theory

Prática: Análise de vídeos e avaliações /raciocínio clínico

Formulação de objetivos de brincar

Organização do plano de intervenção.

11

Brincar e integração sensorial

A Integração Sensorial e a disfunção de integração sensorial 

Classificação das perturbações de processamento sensorial.

As Neurociências, o brincar e a integração sensorial

Impacto da disfunção de integração sensorial nas competências de brincar e no comportamento lúdico

Instrumentos de avaliação de integração sensorial 

Raciocínio clínico

Planeamento da intervenção.

12

O modelo lúdico de Ferland

Modelo Lúdico: quadro conceitual, avaliação e intervenção. 

Apresentação e treinamento dos instrumentos de avaliação Entrevista Inicial com os Pais (EIP) e Avaliação do Comportamento Lúdico (ACL).

Uso do Modelo Lúdico nos procedimentos de terapia ocupacional de crianças com deficiência física, crianças com atraso de desenvolvimento, deficiência intelectual, crianças com problema de saúde mental, clientela adulta.

Modelo Lúdico e os Pais

Planeamento da intervenção fazendo uso dos instrumentos de avaliação a partir de casos clínicos

13

O modelo Learning to Play

Desenvolvimento do brincar de faz de conta em crianças pré-escolares

Os tipos do brincar de faz de conta – imaginativo-convencional e simbólico

Avaliando o brincar de faz de conta – Avaliação do Brincar de faz de conta iniciado pela criança – Child Initiated Pretend Play Assessment – ChIPPA

Os aspetos presentes no brincar de faz de conta: Temas da brincadeira, sequencias das ações, interpretação de papéis, socialização, substituição de objetos, uso de boneco (a)/bicho de pelúcia

Planejando a intervenção para estimular e desenvolver as habilidades do brincar de faz de conta – A terapia Learn to Play

14

A Brinquedoteca e a criança em ambiente hospitalar

 

15

Apresentação de Trabalhos

Apresentação em formato Pitch do trabalho individual

Prazos, Propinas e planos de pagamento

PRAZOS

Apresentação da Candidatura

até 22 de setembro de 2022

Seleção e Seriação

12 a 14 de setembro de 2022

Afixação dos resultados

15 de setembro de 2022

Reclamações

até 19 de setembro de 2022

Decisão sobre as reclamações

21 de setembro de 2022

Matrículas e Inscrições

22 a 28 de setembro de 2022

Início das aulas

30 de setembro de 2022

Preço
Taxa de candidatura** (não reembolsável): 50€
Propinas*: 1350€

Plano de pagamentos

Até 15 out 2022

450€

Até 15 nov 2022

450€

Até 15 dez 2022

450€

Total

1350€*

*Curso com direito a atribuição de Bolsa* a 100% – Consulte os pré-requisitos;

** Funcionários CIT (contrato individual de trabalho) da SCML não pagam a taxa de candidatura (50€).

  • A desistência de frequência obriga ao pagamento das propinas referentes aos 3 meses subsequentes. No caso de pagamento antecipado, os valores pagos não são passíveis de devolução.
  • A desistência do curso isenta o direito de atribuição de bolsa.

Pré-requisitos

1. No âmbito do Programa Impulso Adultos, a atribuição da Bolsa* de incentivo está sujeita às seguintes condições cumulativas:

  • Idade superior a 23 anos (ter completado 23 anos até 31 de dezembro do ano que antecede a realização do curso);
  • Residência no território nacional aquando da frequência do curso;
  • Pagamento da totalidade da taxa de inscrição e da propina do curso;
  • Frequência do curso igual ou superior a 90% da duração do curso;
  • Aproveitamento no curso através de avaliação.

2. Cédula profissional de terapeuta ocupacional.

Para as UC 2, 6, 8, 9, 12, 13 14:

  • Profissionais de Saúde – Comprovativo de Licenciatura e Currículo Vitae;
  • Profissionais de Educação – Comprovativo de Licenciatura e Currículo Vitae;
  • Profissionais da área Social – Comprovativo de Licenciatura e Currículo Vitae.

Em caso de empate deverá ser aplicado o critério de ordem de chegada.



Mais informações:

Secretariado do Curso de Terapia Ocupacional
D.ª Anizabel Silva
+351 21 460 74 66
anizabel.silva@scml.pt











Voltar